quinta-feira, 23 de maio de 2013

Cintilografia do Coração



            A alguns de vocês já pode ter sido solicitado ou terem visto algum familiar fazendo, o exame de cintilografia do miocárdio é importante ferramenta para o diagnóstico de doença coronariana que vem a ser o entupimento de uma ou mais coronárias (artérias que alimentam o músculo cardíaco).
            A cintilografia é um exame de medicina nuclear, não envolve contraste iodado e tem como base a injeção de uma substância radioativa  que é captada por um aparelho  e faz aparecer uma imagem cintilante quando passa. Então o princípio é: se a circulação está boa, a substância colorirá toda a área estudada sem falhas, se houver falhas na circulação, a área comprometida terá falhas no enchimento.
            Em se falando de miocárdio, a coisa vai um pouco além pois uma coronária parcialmente obstruída pode ser suficiente para prover a circulação em condições de repouso porém em situações de esforço aí não seria mais suficiente. Para melhorar o exame então, ele é feito em duas etapas: uma de repouso e outra de esforço e as imagens são comparadas. Aparecendo falhas no esforço que não aparecem no repouso, está feito o diagnóstico de obstrução coronariana e o médico deverá prover o melhor tratamento.
            Nos pacientes que não toleram esforço, ou que exista alguma limitação física para tal, a solução é fazer o exame com o que chamamos de "estresse farmacológico". Ou seja, no lugar de colocar o paciente numa esteira, é dado uma medicação que acelera o coração e que imita o esforço, porém o paciente continua deitado. O princípio para análise do exame permanece o mesmo.

            Outras vezes o cardiologista pede a cintilografia quando o paciente apresentou alguma alteração no teste ergométrico porém tal alteração não convenceu o médico de que este paciente tem doença coronariana  ou o paciente foi incapaz de atingir uma frequência cardíaca  ideal para que o teste traga boas informações. A cintilografia entra como excelente opção para confirmar a existência ou não de doença.